Rest in Peace

Monday, October 15, 2018

Furacão





A ver tango. Assim passei os dias da tempestade, que pôs todos a zelar pelo bem-estar dos seus "entes queridos".

Hoje, falava-se dos telefonemas inquietos. Ainda tive, eu também, de sossegar a inquietude da minha mãe. Pessoalmente, ninguém se preocupou com os danos que o furacão poderia causar-me. Felizmente, na Covilhã, a tempestade foi meiga: muito vento e muita chuva. Mas tudo muito breve.

Como pensei viajar a tempos felizes, através da música, acabei por encontrar novas viagens, que nunca tinha feito. Aliás, alguns destinos eram totalmente desconhecidos para mim. Santa Maria Del Buen Ayre, por exemplo. Passei aí muito tempo, hipnotizada, enquanto os que se amam usavam os telemóveis para ouvirem a voz dos seus e sossegarem, e enquanto a tempestade bramia, derrubava, destruía…

Foram os dias do furacão.


Saturday, October 13, 2018

Boney M.





Goodbye depression. Vive Boney M!!

Friday, October 12, 2018

When you fall...




Who's gonna tell you when it's too late Who's gonna tell you things aren't so great You can't go on thinking nothing's wrong Who's gonna drive you home tonight? Who's gonna pick you up when you fall Who's gonna hang it up when you call Who's gonna pay attention to your dreams Who's gonna plug their ears when you scream You can't go on thinking nothing's wrong Who's gonna drive you home tonight? Who's gonna hold you down when you shake Who's gonna come around when you break
You can't go on thinking nothing's wrong Who's gonna drive you home tonight? You know you can't go on thinking nothing's wrong Who's gonna drive you home tonight?


https://www.youtube.com/watch?v=xuZA6qiJVfU


Monday, October 08, 2018

Noite fria



A noite arrefeceu. Na cama, já não basta o lençol. O casaco leve já tem de se colocar ao final da tarde. O tirar a roupa já arrepia. O Outono está a chegar. Ainda não vi folhas no chão. Nem árvores na sua metamorfose para espectros. Em breve tudo isto chegará.
Ontem o vento foi forte e bom. Não tarda, chega a chuva. Incómoda, quando o caminho está previamente definido. Bela e boa, quando o dia acaba e somos livres…

imagem: https://www.elo7.com.br/mini-tela-noite-fria/dp/AA2395, consultado 9 Outubro, 2018

Saturday, October 06, 2018

Raquel e Ruben



Aos meus sobrinhos!


6 de Outubro



Também aí estive, discretamente…
Alegria. Felicidade.

Imagem: https://www.dhgate.com/store/product/palette-knife-paintings-by-leonid-afremov/408495868.html, consultado em 6 de Outubro, 2018

Thursday, October 04, 2018

Pessoas Sem Qualidades



Como elas gostam de prometer e não pagar. Falham sempre. Sempre! Não fazem nada daquilo que dizem. Cataventos. Hoje estão assim e amanhã estão de outra maneira. Em comum, o de todos os dias: enganar, mentir, levar a água ao moinho delas, nada fazer, fazer de conta. Elas, a do costume e a outra, a que não se enxerga, a que pensa ser boa, boa, justiceira. É uma pobre bacoca que anda no mundo aos gambozinos. Não há como dizer à sujeita que os gambozinos não existem: escusado! Deixo aqui a definição de gambozino, não vá haver outros pobres tontos, que tenham necessidade de saber que os gramozilhos não existem.

. Animal imaginário, para a pesca ou caça do qual se convida uma pessoa considerada ingénua que se pretende enganar. (Mais usado no plural.) = GRAMONILHO, GRAMOZILHO

"gambozino", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/gambozino [consultado em 04-10-2018].

Nota acerca da definição supra: quem aqui se quer enganar é o próprio gambozineiro e de ingénuo não tem nada.

A do costume, que tonta, a autodenominar-se de forma tosca, para não se denominar de outra forma, para que os outros não a denominam por aquilo que ela é! Como é que eu ainda acredito que talvez as pessoas sem qualidades ainda estejam a tempo de as obter? Claro que isto não se aplica à que não se enxerga! Essa é irrecuperável. Essa gosta de se refastelar na sua virtude atacada, isto quando está lânguida, amarfanhada. Quando está acordada, rasga as vestes contra as injustiças do mundo. O mundo sou eu, leia-se, uma víbora, uma desbocada, que vivo só para a desconsiderar! E ela pensa que me castiga com a sua ausência…

A tarefeira acabou de abrir a boca para botar faladura. Já a fechou. É para disfarçar, para tentar fazer de conta que o que se passou não se passou.

Quanto ao outro, o da triste figura - ficam-lhe imensamente mal aquelas calças com que declama trovas! -, especializou-se em comunicar comigo para que eu me certifique que ele não tem nada para me dizer. Tipo: "Está lá?"; "Sim, quem fala?"; "Sou eu."; "Eu quem?"; "Eu!!". "Está bem, e o que deseja?"; "O que deseja??"; "Sim, eu não trata desconhecidos por tu."; "Mas sou EU!". "Ah, sim, EU, e o que… queres?"; "Nada. É só isto!".

Muito bem!



Friday, September 28, 2018

Os dias do nosso (des)contentamento...



Xxxx querid@

vamos por partes: 1.º (…) 😌! Olha, espero que não chegues a fazer as figuras que eu faço, por causa da visualização - e leitura -  intensiva de coisas sobre crime. Hoje mesmo, por exemplo, aconteceu-me:  chego a casa, de noite, e vejo que a fechadura está estranha. Ora, já me vandalizaram, há tempos, a fechadura. Tive que mandar vir um técnico - de uns 80 e tal anos! - para me mudar a dita cuja. Então, como dizia, quando dou pela fechadura numa posição esquisita, parei, olhei em volta e pensei: será que está alguém em minha casa? Tirei logo uma caneta, como arma de defesa. Depois abri a porta. Depois mantive-a aberta, acendi as três luzes da entrada e olhei pelos vidros das portas. Depois fechei à chave, de forma rápida, as portas do escritório e da entrada para a zona dos quartos. Depois fechei a porta da entrada. Depois vasculhei a cozinha e a lavandaria. Depois abri a porta do escritório e vi tudo. Depois a entrada para a zona de dormir: fui com as costas contra à parede. Depois vi a casa de banho. Depois o meu quarto. Finalmente a minha rouparia, que é maior e exigiu particular atenção, com abertura de armários e perscrutação sob a cama que lá se encontra. Relatório de buscas: tudo em ordem; nenhum meliante penetrou no meu condomínio. (oooooohhhhhhhhhh! que monotonia!). E pronto. Foi assim. Isto para não falar da altura em que vi tudo o que havia de arrepiante sobre casas assombradas 😱! Que é outro tema que adoro. Mas já vi tanto, que agora já nada me faz disparar o coração, nem andar com a sensação de que oiço barulhos. E olha que a luz do tecto do meu quarto acendeu-se e apagou-se sozinha, mais do que uma vez (que bom!). A minha vida seria tão (mais) monótona se não existissem estes fantasmas e estas pessoas suspeitas pela minha casa…
Portanto, comporte-se, não faça as figuras que eu faço, qual D. Quixote a combater serial killers imaginários com uma caneta.
etc. etc.